29 novembro 2005

O homem só




Ninguém disse que ser treinador é fácil. Lidar com a pressão, ouvir os adeptos atrás do banco a dar os seus “conselhos”, ser responsabilizado sempre que o avançado não marca um golo de baliza aberta. Decididamente ser treinador é uma tarefa complicada.
Ronald Koeman é um desses mártires que se dedicam a liderar as atribuladas naus que são as equipas de futebol. Koeman foi um grande jogador, um dos melhores do seu tempo. Ainda hoje faz parte da única equipa campeã europeia pelo Barcelona, e foi também campeão europeu pela Holanda. Decididamente Koeman foi um grande jogador.
Koeman também teve uma ascensão meteórica no banco. Ao fim de poucos anos, já era treinador do Ajax e campeão holandês. Decididamente Koeman teve um excelente início de carreira.
Hoje Koeman orienta o meu clube. É a sua primeira experiência, enquanto treinador, fora da Holanda. Tenho de admitir que fiquei entusiasmado com a sua vinda para o Benfica. Pensei que depois de um ano “pragmático” com o Trap, merecíamos um ano de “futebol total” ao bom estilo de Cruyff. Decididamente merecíamos isso.
Todavia, aquilo que eu vejo é um Benfica a praticar um futebol mau e sem soluções. Dir-me-ão os mais entendidos que tal situação se deve ao facto de termos 6 jogadores essenciais lesionados. Digo eu que isso é apenas uma parte do problema, da competência da equipa médica, pois um jogador só deve voltar á competição quando estiver a 100% e não a 50%; e não considero essa uma resposta válida pelo facto de este ser o Benfica, e não devíamos depender tanto de duas ou três individualidades. Levanta-se aqui a questão da qualidade do plantel. Claramente que jogadores como Beto, João Pereira, Carlitos e demais “vedetas” apenas têm lugar no Benfica do “Football Manager”. Decididamente há jogadores neste plantel que não têm categoria para representar o Benfica.
Mas é aqui que entra o treinador. Koeman é quem orienta a equipa e não se pode dar ao luxo de “inventar” soluções. Ele deve olhar para o que tem e não ser demasiado criativo. Koeman poderia perfeitamente adoptar um estilo mais prático e fiel aos seus princípios de jogo mesmo com o Simão lesionado. Não havia necessidade de jogar com 9 defesas contra o Lille, nem com o Petit e o Beto ao mesmo tempo. Mas Koeman tem medo. Koeman não confia nos seus “virtuosos”. Koeman tem um discurso muito ofensivo, mas em campo é o que é. Lembrem-se do jogo em Manchester, e que o SLB o poderia perfeitamente ter ganho, se o treinador tem arriscado um pouco mais. Koeman não tem culpa do plantel que tem mas assumiu a responsabilidade de o gerir, e agora não pode fugir. Koeman orienta o campeão nacional, e este deve-se portar como tal em todos os jogos. Deve jogar como campeão em Portugal e na Europa. Koeman é hoje um homem só pelo simples facto de não ter sabido agregar os adeptos em torno de si, e tudo isto porque o que nós esperávamos dele era uma equipa alegre em campo, e tudo aquilo que ele nos deu foi "Trapattoni II". Koeman desiludiu-me e nem com a desculpa dos lesionados lá vai. Mas quero mudar de opinião, quero que a equipa que ganhou no Dragão apareça mais vezes. Quero que o Benfica ganhe. Decididamente Koeman está condenado a provar que eu estou enganado.

Comentários

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home